A revitalização do Centro de Niterói

centro

Site renan clique aqui

O Centro da cidade de Niterói precisa resgatar o prestígio perdido ao longo das últimas décadas. Para melhorar a qualidade de vida de moradores, comerciantes e frequentadores da área, a Prefeitura de Niterói está desenvolvendo o projeto de Revitalização da Área central.

Abrangendo cinco bairros – Centro, Boa Viagem, Morro do Estado, São Lourenço e Ponta D’Areia–, o projeto totaliza 3,2 milhões de metros quadrados que vão receber melhorias e intervenções físicas e urbanísticas.

centro2

A reformulação dos espaços públicos será acompanhada da renovação de toda a infraestrutura existente, incluindo as redes de esgotamento sanitário, iluminação pública, água e gás, bem como incluindo os cabos elétricos e de telecomunicações, que serão subterrâneos em toda a região. Além disso, estão previstas nova pavimentação e sinalização nas ruas e calçadas, assim como a substituição do mobiliário urbano.

O projeto dará capacidade de suporte para atrair novas residências e comércio, que são premissas da revitalização das edificações abandonadas e ocupação de vazios urbanos, e que deverá atrair até 40 mil novos habitantes e novos comerciantes nos próximos vinte anos. Isso representa uma dinâmica diferente para a economia local.

Para atender a esta demanda, o transporte é uma das prioridades. O projeto segue princípios de desenvolvimento orientado ao transporte, com a criação de espaços públicos acessíveis e com tratamento paisagístico que formarão uma grande rede caminhável e cicloviária, integrando os locais de residência aos pontos de maior atração de pessoas, como universidades, áreas comerciais e a estação intermodal da Área Central. Ela irá integrar barcas, ônibus, bicicletas, o futuro bonde moderno (VLT – Veículos Leves sobre Trilhos) e a Linha 3 do metrô – um projeto do Governo do Estado. A promoção do uso de bicicletas será efetivada com a construção de 16 quilômetros de ciclovia.

Com o novo sistema de mobilidade criando vias com priorização para ciclistas e pedestres e outras com priorização para o tráfego motorizado, o trânsito na região deverá ser mais harmônico, reduzindo os conflitos nos cruzamentos na Área central. Uma passagem subterrânea será construída para melhorar o fluxo de pedestres na região da futura Esplanada Araribóia, ponto de maior movimentação de pessoas no município. A passagem subterrânea para veículos ligará a Avenida Amaral Peixoto à Rua Visconde do Rio Branco.

As iniciativas também incluem a preservação e recuperação dos edifícios históricos e culturais da cidade, hoje degradados, tais como a reforma da Casa Norival de Freitas e a Igreja da Boa Viagem, bens tombados.Outra preocupação do projeto se refere ao ordenamento urbano. Vendedores ambulantes serão remanejados para um espaço especificamente destinado ao comércio popular. Outros grupos, como pescadores, marisqueiros e catadores de papel, também ganharão áreas para desenvolver suas atividades. Moradores de rua receberão acolhimento em um novo abrigo a ser instalado na região.

Sancionada lei que cede o prédio do Cinema Icaraí para a UFF

C:\Documents and Settings\1742789\Meus documentos\Otávio 20

Foi sancionada na tarde de ontem a lei de cessão para a Universidade Federal Fluminense (UFF) da parte da Prefeitura no prédio do Cinema Icaraí. Como a sanção, a UFF passa a ser a proprietária integral do edifício, que será ocupado por um centro cultural, e também será sede da Orquestra Sinfônica Nacional e da Companhia de Ballet de Niterói.

Em seu gabinete, o prefeito da cidade recebeu o reitor da UFF, Roberto Salles; o presidente da Fundação de Arte de Niterói (FAN), André Diniz, além do presidente da Câmara, Paulo Bagueira, e vereadores. Após assinar a lei, o chefe do Executivo municipal destacou a importância da parceria da Prefeitura com a universidade.

“Eu estive pessoalmente na UFF por duas vezes com minha equipe expressando de maneira muito clara a nossa visão de trabalho conjunto entre a atual gestão da prefeitura e a universidade. Construímos nos últimos meses o entrosamento com a UFF, que é um patrimônio do Brasil e uma referência da cidade de Niterói. É um orgulho para o município ter uma grande universidade federal”, disse Rodrigo Neves.

“A Câmara aprovou por unanimidade essa lei, demonstrando de maneira clara o compromisso do Legislativo com esse projeto. Com a sanção, que será publicada amanhã, a UFF passa a ser proprietária integral do prédio, o que vai permitir a captação de recursos para o desenvolvimento de um projeto de implantação de equipamento cultural no local”, afirmou.

O reitor Roberto Salles, que está no fim de sua gestão, informou que os projetos básicos e executivo para a recuperação do prédio do Cinema Icaraí estão em andamento. Ele também falou sobre a parceria com a Prefeitura de Niterói e fez um rápido balanço de sua administração.

“Esse passo aqui vem complementar os 180 mil metros quadrados que nós estamos deixando a mais para a UFF, que foram feitos nesses oito anos. Em 50 anos, a UFF construiu 240 mil metros quadrados. Isso equivale dizer que é um Maracanã e meio. Também fizemos mais de cem reformas de prédios. Vamos entregar uma universidade realmente transformada e inclusiva. A gestão do prefeito Rodrigo Neves complementou o que estava faltando, ao nos ceder o prédio do Cinema Icaraí. Fico feliz porque essa gestão do município está fazendo uma parceria boa conosco. A universidade também está dando sua contribuição a Niterói, na formação de cidadãos”, disse Roberto Salles.

Fonte: Prefeitura de Niterói

Imagem de divulgação da obra

Túnel Charitas x Cafubá

Parece que o túnel Charitas x Cafubá finalmente irá sair do papel. Vamos acompanhar de perto e obter mais informações sobre os impactos diretos e indireto nas comunidades de Niterói e do Cafubá.

Assinadas as primeiras desapropriações para a construção da TransOceânica

Imagem de divulgação da obra
Imagem de divulgação da obra

Foi assinada na tarde da última sexta-feira pelo prefeito Rodrigo Neves a desapropriação de sete áreas para o processo de implantação da TransOceânica, via expressa que ligará a Região Oceânica a Charitas. A medida é mais um passo para a execução da obra, cuja ordem de início foi dada no último dia 25 de setembro.

“A TransOceânica é o maior investimento em infraestrutura e mobilidade da história da nossa cidade. Ela muda o paradigma da mobilidade e do transporte público em Niterói” diz o prefeito, acrescentando que o cronograma da obra está sendo rigorosamente cumprido.

O critério estabelecido para as desapropriações é o de começar por terrenos vazios. As avaliações dessas áreas ficará a cargo da Procuradoria do Estado, que está auxiliando o município.

A Transoceânica será o primeiro corredor exclusivo de ônibus da região metropolitana do Rio de Janeiro. Financiado com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o corredor terá 9,3 quilômetros de extensão, 15 estações e promete reduzir para 35 minutos uma viagem que hoje pode levar mais de duas horas. Aproximadamente 146 mil usuários que usam ônibus todos os dias serão beneficiados com o empreendimento. O BRT Transoceânica vai passar por 11 bairros da região oceânica, a que mais cresce na cidade.

Fonte: Prefeitura de Niterói